Nota13.12

A população de mais 18 municípios gaúchos (confira abaixo) foi incluída na lista de beneficiados do Governo Federal para retirada gratuita do kit de TV digital (composto por receptor, antena e controle remoto).

O equipamento permitirá que mais de 480 mil famílias continuem assistindo TV em seus aparelhos antigos após o desligamento do sinal analógico no estado do Rio Grande do Sul, agendado para 31 de janeiro de 2018.

Com essa inclusão, a programação dos canais abertos será transmitida apenas pelo sinal digital, inicialmente, para 107 municípios do Estado. Em todo o Rio Grande do Sul, o processo será concluído até dezembro de 2023. 

Para saber quem tem direito ao kit gratuito, a população dessas cidades deve ligar gratuitamente para o número 147 ou acessar este site com o NIS (Número de Identificação Social) em mãos.

Se o nome estiver na lista, basta realizar o agendamento para retirada do kit gratuito. Cada família pode escolher o ponto de entrega mais próximo da residência, bem como a melhor data e horário para buscar os equipamentos. Nesses pontos, os beneficiários também recebem orientação técnica sobre a instalação da antena digital e conversor.

 

Confira os municípios incluídos no desligamento:

Bom Princípio

Capitão

Cotiporã

Cruzeiro do Sul

Ipê

Lindolfo Collor

Maratá

Mato Leitão

Minas do Leão

Nova Hartz

Nova Pádua

Pouso Novo

Salvador do Sul

Santa Clara do Sul

São Pedro da Serra

São Valentim do Sul

São Vendelino

Sentinela do Sul

Publicado em NOTÍCIAS

Nota06.12

 

Presente em mais de 90% dos domicílios, a TV é um dos meios de comunicação mais populares quando se trata de acesso à informação. Acesso, aliás, foi a palavra-chave no último dia 3 de dezembro, data em que foi celebrado o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência.

Desde 2015, o Fórum SBTVD (Fórum do Sistema Brasileiro de TV Digital) trabalha na elaboração das normas e especificações para atender o público com deficiências visuais ou auditivas. “Hoje em dia, a tecnologia pode ajudar na utilização de eletrônicos por deficientes. Nossa preocupação é tornar a TV digital cada vez mais acessível a todos os brasileiros”, enfatiza José Marcelo, presidente da instituição.

Com o avanço da implantação do sinal de TV digital aberta nos municípios brasileiros, recursos de acessibilidade como closed caption (legenda oculta), LIBRAS e audiodescrição, chegarão a cerca de 6,5 milhões de deficientes visuais e quase 10 milhões de deficientes auditivos, que poderão desfrutar de uma melhor experiência ao ligar o eletrodoméstico.

De acordo com a legislação vigente, toda programação de TV deve oferecer 24 horas de closed caption. Além disso, no último semestre, foi determinado que todas as peças audiovisuais devem se adaptar para exibir os três recursos de acessibilidade, isso inclui desde montagens para cinema até propagandas publicitárias.

Em conformidade com os anseios do Fórum SBTVD, a ShowCase PRO, empresa associada da instituição e especialista em inovação tecnológica para acessibilidade audiovisual, tem investido no desenvolvimento de novas tecnologias voltadas para o setor. O diretor comercial, Marco Antonio Melo, afirma que hoje a empresa oferece mais qualidade no serviço de closed caption por meio da técnica de reconhecimento de fala do operador.

Já para atender os deficientes auditivos que não são alfabetizados em português, a empresa investe em novidades: “Desenvolvemos um avatar que fica no canto da tela, ele faz o reconhecimento do áudio e traduz as informações para a linguagem de LIBRAS”, finaliza o executivo.

Publicado em NOTÍCIAS

Nota05.12

Desde a publicação do primeiro conjunto de normas técnicas, em 2007, o trabalho da Comissão de Estudo Especial de Televisão Digital (ABNT/CEE-085) para implantação do Sistema Brasileiro de Televisão Digital (SBTVD) despertou a atenção de vários países, interessados em também fazer a transição da transmissão analógica para a digital. Agora, completam-se dez anos do lançamento das normas – foi em 30 de novembro – e da primeira transmissão oficial, que aconteceu em São Paulo, em 2 de dezembro de 2007.

O Peru foi o primeiro país, na América Latina, a anunciar a adoção do sistema desenvolvido no Brasil, em 2009. No mesmo ano, a União Internacional de Telecomunicações (International Telecommunication Union - ITU) recomendou que os documentos brasileiros fossem considerados referências mundiais. Atualmente, 18 países adotam o modelo.

As Normas Brasileiras foram elaboradas com base na normalização pioneira, do Japão, que estabeleceu o ISDB-T (Integrated Systems Digital Broadcasting Terrestrial), utilizado desde 2002. São resultado de anos de dedicação e esforço da ABNT/CEE-085 e do Fórum do Sistema Brasileiro de TV Digital (Fórum SBTVD), que é integrado por membros da área de radiodifusão, fabricantes de equipamentos de recepção, transmissão, indústria de software, instituições de ensino e pesquisa e representantes do governo federal.

“A contribuição daqueles que até aqui participaram da construção desse trabalho jamais será esquecida. Que venham outros anos e mais inovação”, comemora José Marcelo do Amaral, presidente do Fórum SBTVD.

O processo de transição deverá terminar em 2018, consolidando o SBTVD. Portaria do Ministério das Comunicações condiciona o desligamento da transmissão analógica dos serviços de radiodifusão de sons e imagens e de retransmissão de televisão a que, pelo menos, 93% dos domicílios dos municípios que acessem o serviço livre, aberto e gratuito por transmissão terrestre estejam aptos à recepção da televisão digital.

As famílias inscritas em programas sociais do Governo, como Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida e Tarifa Social de Energia Elétrica, recebem kit gratuito com antena, conversor e controle remoto.

O conjunto de nove normas técnicas para o SBTVD, algumas com várias partes, soma hoje 25 documentos. Confira as que foram lançadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) há dez anos:

·        ABNT NBR 15601:2007 - Televisão digital terrestre - Sistema de transmissão

·        ABNT NBR 15602-1:2007 - Televisão digital terrestre - Codificação de áudio, vídeo e multiplexação. Parte 1: Codificação de vídeo

·        ABNT NBR 15602-2:2007 - Televisão digital terrestre - Codificação de vídeo, áudio e multiplexação. Parte 2: Codificação de áudio

·        ABNT NBR 15602-3:2007 - Televisão digital terrestre - Codificação de vídeo, áudio e multiplexação. Parte 3: Sistemas de multiplexação de sinais

·        ABNT NBR 15603-1:2007 - Televisão digital terrestre - Multiplexação e serviços de informação (SI). Parte 1: SI do sistema de radiodifusão

·    ABNT NBR 15603-2:2007 - Televisão digital terrestre - Multiplexação e serviços de informação (SI). Parte 2: Estrutura de dados e definições da informação básica de SI

·     ABNT NBR 15603-3:2007 - Televisão digital terrestre - Multiplexação e serviços de informação (SI). Parte 3: Sintaxes e definições de informação estendida do SI

·        ABNT NBR 15604:2007 - Televisão digital terrestre – Receptores

·    ABNT NBR 15606-1:2007 - Televisão digital terrestre - Codificação de dados e especificações da transmissão para radiodifusão digital. Parte 1: Codificação de dados

·    ABNT NBR 15606-2:2007 - Televisão digital terrestre - Codificação de dados e especificações de transmissão para radiodifusão digital. Parte 2: Ginga-NCL para receptores fixos e móveis - Linguagem de aplicação XML para codificação de aplicações

·   ABNT NBR 15606-3:2007 - Televisão digital terrestre - Codificação de dados e especificações de transmissão para radiodifusão digital. Parte 3: Especificação de transmissão de dados

Publicado em NOTÍCIAS

Nota04.12

 

Às 21h20 do dia 2 de dezembro de 2007 era realizada a primeira transmissão oficial de sinal de TV digital no Brasil. A solenidade aconteceu na Sala São Paulo, na capital paulista, e reuniu mais de 2 mil pessoas, entre representantes das principais emissoras do País, empresários do setor e autoridades políticas, incluindo o ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva.

Passados dez anos, os brasileiros comemoram e desfrutam dos resultados desse primeiro passo oficial dado para a implementação da TV digital no País. Hoje, já são mais de 350 municípios que contam com programação televisiva 100% digital.

Mais do que isso, o processo de implementação e o modelo do sinal de TV digital brasileiro (intitulado ISDB-TB) tornaram-se referência para outros 18 países, por conta da robustez do sinal e a acessibilidade e interatividade que oferece aos usuários, por meio das quais possibilita, também, a transmissão de sinal de TV para dispositivos móveis.

Parte fundamental na construção desta história, o Fórum SBTVD (Fórum do Sistema Brasileiro de TV Digital Terrestre) contribuiu, promoveu e coordenou cada conquista da TV digital no País. Somente por meio da entidade que foi possível integrar os principais setores da cadeia para discussão de ideias e importantes tomadas de decisão, como emissoras de TV, fabricantes de equipamentos de recepção e transmissão, indústria de software, representantes do Governo Federal e entidades de ensino e pesquisa.

 

Normas ABNT

Imprescindível para nortear todo o processo de implementação do sinal de TV digital no Brasil, as normas ABNT para o SBTVD também completam dez anos de sua primeira publicação.

Na ocasião, foram regulamentadas e oficializadas por meio do Fórum SBTVD as decisões acerca do sistema de transmissão; codificação do áudio, vídeo e multiplexação; multiplexação e serviços de informação; receptores; e codificação de dados e especificações de transmissão para radiodifusão digital.

Publicado em NOTÍCIAS

Nota27.11

 

O padrão de TV digital do Brasil vem se consolidando cada vez mais como referência na América Latina. Depois de países como Peru, Chile, Venezuela, Paraguai e Uruguai terem optado por este formato, agora chegou a vez do Equador iniciar o desligamento e adotar inteiramente a tecnologia. A previsão é de que o novo modelo entre em vigor a partir do segundo semestre de 2018.

E não é apenas a TV brasileira que tem grande participação nesse processo, já que profissionais daqui também contribuíram com a mudança.  Ao longo de quase uma semana, dois especialistas indicados pelo Fórum SBTVD (Fórum do Sistema Brasileiro de Televisão Digital Terrestre) acompanhados do representante do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, William Ivo Zambelli, estiveram no país para ministrar cursos à equipe equatoriana no último mês. Dentre os principais temas, foram abordadas questões relacionadas à transmissão do sinal de TV digital aberta, codificação, modulação e multiplexação.

Entre os países sul-americanos, apenas Suriname e Colômbia não optaram pelo padrão brasileiro. “Para o Brasil é muito importante que outros países adotem o nosso padrão de TV digital, principalmente aqueles com que possuímos laços comerciais e culturais, pois isso gera mais oportunidades de negócios”, enfatiza o presidente do Fórum SBTVD, José Marcelo Amaral.

O padrão digital do Brasil foi adaptado do sistema japonês (ISDB-T), plenamente utilizado desde 2002. Os aspectos que diferenciam um modelo de outro estão, principalmente, relacionados à compressão. Enquanto no Japão a condensação do vídeo usa o padrão MPEG2, por aqui ela foi atualizada para MPEG4. A interatividade também é um ponto de divergência entre os dois modelos. Em terras japonesas, utiliza-se o BML; já aqui os televisores saem da fábrica com o Ginga, middleware desenvolvido para atender aos padrões brasileiros.

José Marcelo entende que o que leva os outros países a se interessarem pelo ISDB-TB (modelo brasileiro de TV digital) é a robustez do sinal, além da acessibilidade e interatividade. “Diferente de outros padrões”, acrescenta o executivo, “o ISDB-TB possibilita também a transmissão de sinal de TV para dispositivos móveis, como celulares, tablets, entre outros”. Ao todo, 18 países já optaram pelo modelo brasileiro de TV digital.

Publicado em NOTÍCIAS

Nota22.11

 

O sinal analógico de TV foi desligado às 23h59 desta quarta-feira (dia 22) em 19 cidades do estado do Rio de Janeiro. Agora, só é possível assistir à programação da TV aberta por meio do sinal digital. De acordo com pesquisa divulgada pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), 96% da população desta região continuará assistindo TV mesmo após o desligamento do sinal analógico.

Além da capital, os consumidores de outros 18 municípios passaram a contar apenas com o sinal digital. Com a mudança, a transmissão de canais da TV aberta no Brasil é realizada com melhor qualidade e mais estabilidade, sem chuviscos, ruídos, chiados e interferências.

Quem ainda não se preparou para a mudança pode adquirir conversores nas principais redes varejistas Já as famílias de baixa renda cadastradas em programas sociais do Governo Federal podem garantir seus kits gratuitamente. Basta agenda um atendimento pelo telefone 147 ou pelo site www.sejadigital.com.br.

O diretor da TV Globo no Rio de Janeiro, André Dias, explica que apesar de o sinal analógico ter sido desligado nesta quarta, ainda há tempo de adquirir o kit digital. “Quem não tiver o kit, aparecerá na tela da TV um aviso de que a transmissão foi interrompida. Mas as pessoas ainda podem ligar para o 147 e retirar o seu kit. A maioria já retirou. No fim de semana haverá um saldão. O importante é ninguém ficar sem ver TV”.

Publicado em NOTÍCIAS

Nota20.11

 

A poucos dias do desligamento do sinal analógico de TV na região do Rio de Janeiro, agendado para o dia 22 de novembro, foram distribuídos mais de 83 mil kits gratuitos para famílias de baixa renda da cidade de Nova Iguaçu. Há ainda mais de 11 mil kits para serem distribuídos no município.

O kit gratuito contém antena, conversor e controle remoto, e permite que televisores mais antigos exibam a programação da TV aberta transmitida pelo sinal digital.

Vale lembrar que os televisores de tubo ou de tela plana fabricados até 2010 precisam de um conversor para receber o sinal digital. Se sua TV já possui conversor embutido, basta conferir se sua antena é digital. O processo é simples. O mais indicado é instalar sua antena no telhado de casa. Depois, conecte o conversor à sua TV e faça a busca dos canais.

Para saber se tem direito ao kit, a população deve ligar gratuitamente para o número 147 com NIS (Número de Identificação Social) em mãos ou acessar o portal da Seja Digital, no www.sejadigital.org.br.

Publicado em NOTÍCIAS

Nota13.11

 

O sinal analógico de televisão começou a ser desligado hoje (8) em Belo Horizonte e em mais 38 cidades de Minas Gerais. O processo de desligamento nesses municípios será finalizado em 22 de novembro.

Pesquisa do início deste mês apontava que 89,25% dos domicílios dos 39 municípios mineiros incluídos na etapa de desligamento do sinal analógico já estão preparados para receber o sinal digital. O percentual é um pouco abaixo dos 90% definidos por portaria do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) para que as transmissões analógicas sejam encerradas.

De acordo com o ministério, cerca de 5,5 milhões de pessoas migrarão do sinal analógico para o digital nas 39 cidades mineiras. Além da capital Belo Horizonte, também terão o sinal de TV analógico desligado os municípios de Araçaí, Baldim, Betim, Brumadinho, Cachoeira da Prata, Caeté, Capim Branco, Confins, Contagem, Esmeraldas, Florestal, Fortuna de Minas, Funilândia, Ibirité, Igarapé, Inhaúma, Itaúna, Jequitibá, Juatuba, Lagoa Santa, Mário Campos, Mateus Leme, Matozinhos, Nova Lima, Pedro Leopoldo, Prudente de Morais, Raposos, Ribeirão das Neves, Rio Acima, Sabará, Santa Luzia, São Joaquim de Bicas, São José da Lapa, São José da Varginha, Sarzedo, Sete Lagoas, Taquaraçu de Minas e Vespasiano.

Ao todo, segundo o MCTIC, foram distribuídos 352 mil kits de conversores digitais nas 39 cidades de Minas, para as famílias beneficiárias de programas sociais do Governo Federal.

Conforme dados do Gired, até  22 de novembro, a implantação do Sistema Brasileiro de TV Digital vai abranger 193 municípios e beneficiar mais de 60 milhões de pessoas. Desde o início do processo, o sinal analógico já foi desligado em Rio Verde (GO); Brasília e nove cidades do entorno do Distrito Federal; São Paulo e 38 cidades do estado; Goiânia e mais 28 municípios de Goiás; Recife e outras 13 cidades de Pernambuco; Salvador e mais 19 cidades da Bahia; Fortaleza e outras 14 cidades do Ceará; Vitória e mais seis cidades do Espírito Santo.

Pelo cronograma, em 29 de novembro será a vez de Campinas (SP) e mais 84 cidades próximas; Franca (SP) e outros 24 municípios da região; Ribeirão Preto (SP) e mais 19 cidades; Santos (SP) e outras oito cidades; e mais 19 cidades do Vale do Paraíba, também no estado de São Paulo.

Publicado em NOTÍCIAS

Nota27.10

 

Os moradores de Petrópolis/RJ cadastrados em programas sociais do Governo Federal têm até hoje (27) para fazer a solicitação da retirada dos kits digitais, gratuitamente, nos Centros de Referência de Asistência Social (Cras). A retirada será realizada no dia 11 de novembro.

A expectativa, segundo a Prefeitura, é que 22.197 kits com antena, conversor digital e controle remoto sejam distribuídos no município. Até o momento, 17.382 kits foram entregues às famílias que possuem o Número de Identificação Social (NIS) por receberem benefícios, como Bolsa Família, Tarifa Social de Energia Elétrica, Minha Casa Minha Vida, entre outros, e com renda mensal de até três salários mínimos.

A representante do Seja Digital, que orienta os usuários do Cras Centro, Juliana Oliveira, explica que o agendamento é feito de duas formas: aos usuários com Cadúnico e àqueles que ainda não fizeram o cadastro único para programas sociais.

“Quem tem Cadúnico, automaticamente, fornece o número do NIS e nós já conseguimos realizar o agendamento. Mas aqueles que estão com o cadastro recente precisam preencher uma ficha, que é encaminhada ao Seja Digital, para avaliação e lá a equipe da organização entra em contato com o usuário para a retirada do kit. O movimento nestas semanas é de cadastros recentes, então estamos orientando a população a vir o quanto antes realizar o cadastro, pois é um processo que pode demorar alguns dias para a retirada do kit”, alerta Juliana.

O cadastro deve ser feito por meio de um formulário na internet ou pelo telefone 147.

Publicado em NOTÍCIAS

Nota24.10

 

O Governo Federal decidiu ampliar o prazo para o desligamento do sinal analógico de TV no Rio de Janeiro e em mais 18 municípios do estado. A transição para o sistema digital vai começar nesta quarta-feira (25) e se estende até 22 de novembro, quando o sinal passará a ser a única opção para assistir aos canais da TV aberta. As emissoras de televisão podem desligar o sinal analógico a qualquer momento a partir de quarta.

Levantamento do Governo realizado no Rio de Janeiro e cidades do entorno apontou que o índice de domicílios preparados para receber o sinal digital é de 87%. Para ocorrer o desligamento, o percentual mínimo exigido é de 90%, conforme portaria do Ministério das Comunicações. Por essa razão, foi decidido pelo desligamento gradual do sinal analógico na região, que antes estava previsto para ocorrer de uma só vez.

Além da capital, o grupo de cidades do Rio de Janeiro inclui Belford Roxo, Duque de Caxias, Guapimirim, Itaboraí, Itaguaí, Japeri, Magé, Maricá, Mesquita, Nilópolis, Niterói, Nova Iguaçu, Petrópolis, Queimados, São Gonçalo, São João de Meriti, Seropédica e Tanguá. Em todas essas cidades, a população atingida soma 12,4 milhões de pessoas.

Será feita uma nova pesquisa no Rio de Janeiro antes da data final para concluir o desligamento. O objetivo é confirmar o alcance do sinal digital entre os domicílios das cidades. Com o desligamento do sinal analógico da TV aberta, a programação das emissoras fica disponível somente no formato digital, mas os canais abertos devem apresentar na tela, durante 30 dias, cartelas informativas ao telespectador sobre a mudança.

O serviço de TV digital será oferecido gratuitamente, mas as pessoas que têm televisores de tubo ou de tela plana fabricados antes de 2010 deverão instalar uma antena digital e um conversor para poderem assistir à programação.

As famílias inscritas em programas sociais do Governo, como Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida e Tarifa Social de Energia Elétrica, têm direito ao recebimento de kit gratuito com antena, conversor e controle remoto. No total, mais de 700 kits já foram entregues e há cerca de 550 mil ainda disponíveis.

Publicado em NOTÍCIAS
Página 1 de 22